Martha Gabriel dá dicas para uso da tecnologia na educação

A importância do Big Data no Ensino Adaptativo segundo Martha Gabriel
3 de maio de 2016
Marketing de Conteúdo: entrevista de Martha Gabriel para HSM
18 de maio de 2016

Publicado em 3 de maio de 2016

TecEduc-pt4

Consultora e palestrante fala sobre capacitação dos educadores para uso da tecnologia

“Acredito que a única forma de preparar alguém para algo é praticando”, comenta a consultora e palestrante Martha Gabriel quando o assunto é como realizar a capacitação dos educadores para uso da tecnologia na educação – dúvida comum entre a comunidade escolar atual. Na última matéria da série especial #MarthaGabrielNaTecEduc, ela dá dicas para docentes que gostariam de começar a aproveitar o potencial das novas tecnologias em benefício da educação. Confira!

#Dica1: usar a tecnologia como habilitação para novas propostas.
“É essencial que os professores comecem a usar os ambientes digitais para que se habilitem a criar soluções pedagógicas e interessantes neles. Penso que cada professor é cada vez mais responsável por sua capacitação, cabendo às instituições fomentar esse processo e oferecer estrutura para que aconteça e se replique. Isso pode ser feito desde as coisas mais simples, como o uso de um smartphone, por exemplo – um professor que aprenda a usar essa tecnologia, certamente acrescentará a sua expertise ao processo de uso, tornando-o muito mais interessante.”

#Dica2: avaliar a metodologia da Sala de Aula Invertida (Flipped Classroom).
“A partir do momento em que cada vez mais estudantes possuem conexão em casa, é possível solicitar um estudo de conteúdo antecipado, para usar o espaço e o tempo da sala de aula em um ambiente de discussão, interação e reflexão tutorada. Isso favorece que cada aluno estude no seu ritmo e horários preferenciais, e com os tipos de conteúdos com os quais mais se adequam. Na sala de aula acontece o momento de reflexão, dúvidas e discussões para sedimentar a aprendizagem – isso era impossível no passado em função das limitações de acesso à informação.”

#Dica3: aplicar os benefícios do hibridismo no ensino.
“O uso de processos híbridos (digitais + offline) podem acrescentar muito para a experiência educativa, pois um complementa o outro, oferecendo o melhor dos dois mundos, simultaneamente. Outra dimensão interessante a ser explorada é a criatividade – sabemos que quanto mais referências e multiplicidades de conteúdos, materiais, culturas, pessoas e ferramentas, mais caminhos de experimentação criativa se apresentam. Com o incentivo do educador, o ambiente digital pode se tornar um laboratório de criatividade à disposição dos estudantes.”

#Dica4: aproveitar o repertório individual dos alunos como apoio.
“A fluência natural e a liberdade de pesquisa que cada estudante adquire desde pequeno no uso das tecnologias digitais pode ser usada como insumo na sala de aula para complementar as ferramentas e tecnologias conhecidas pelo professor e demais alunos. Isso enriquece o ambiente, pois acrescenta um nível adicional de possibilidade de participação e interação que não era possível no passado.”

#Dica 5: uma reflexão sobre a aceitação do uso da tecnologia na educação.
“Hoje existem muitas fontes para estudo e os dispositivos e sistemas estão cada vez mais acessíveis. No entanto, acho importante ressaltar que, apesar da transformação toda estar ocorrendo em torno da tecnologia, ela não deve ser o nosso foco de ação, mas sim instrumento. O que vai determinar o sucesso de um educador hoje, em minha opinião, é o mesmo fator que sempre o tornou um ser fundamental na vida de seus alunos: o interesse e atenção por eles, focando no processo de aprendizagem adequado para cada um e usando as ferramentas que estiverem em mãos. Lógico que, quando o contexto muda, as ferramentas mudam também, e para se conseguir aplicar qualquer instrumento, é essencial usá-lo, praticar e dominá-lo – assim deve ser também com as tecnologias, mas não podemos esquecer nossa missão principal, o que realmente importa é o estudante. É por ele que a educação tem sentido de existir. Sumarizando, acredito que temos que ter o cérebro focado no aprendizado da tecnologia, mas o coração batendo sempre com o aluno.”

Mais da série #MarthaGabrielNaTecEduc:
Parte 1: Martha Gabriel fala sobre tecnologia e educação na Era Digital à Revista TecEduc
Parte 2: Martha Gabriel aborda relação da aprendizagem ativa com a tecnologia
Parte 3: A importância do Big Data no Ensino Adaptativo segundo Martha Gabriel
Parte 4: Martha Gabriel dá dicas para uso da tecnologia na educação

* Artigo originalmente publicado na revista TecEduc do Positivo em 23/03/2016: http://www.positivoteceduc.com.br/em-pauta/martha-gabriel-dicas-tecnologia-na-educacao-teceduc/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *